quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O julgamento de Lampião


O JULGAMENTO DE LAMPIÃO
Divagações entre o real e a utopia

Gerivaldo Alves Neiva, Juiz de Direito

Bezouro, Moderno, Ezequiel,
Candeeiro, Seca Preta, Labareda, Azulão!

Arvoredo, Quina-Quina, Bananeira, Sabonete,
Catingueira, Limoeiro, Lamparina, Mergulhão, Corisco!

Volta Seca, Jararaca, Cajarana, Viriato,
Gitirana, Moita-Brava, Meia-Noite, Zambelê!

Quando degolaram minha cabeça
passei mais de dois minutos
vendo o meu corpo tremendo

E não sabia o que fazer
Morrer, viver, morrer, viver!

(Sangue de Bairro, de Chico Science)

Virgulino Ferreira da Silva, pelo povo também conhecido como “Lampião”, foi preso em flagrante pela “volante” do Tenente Bezerra e apresentado a este Juízo na forma da ilustração de autoria do cartunista @CarlosLatuff.
Esta é uma decisão, portanto, que navega entre o virtual e o real, o passado e o presente, entre o possível e o impossível, permeada de utopia, sonho e esperança... O que se verá, por fim, é a evidência da contradição, não insolúvel, entre o Direito e a Justiça. Quem viver, verá.
Inicialmente, registro que não costumo me dirigir aos acusados por “alcunhas”, “vulgos” ou apelidos. Aqui, todos tem nome, pois ter um nome significa, no mínimo, o começo para ser cidadão e detentor de garantias fundamentais previstas na Constituição brasileira. Neste caso, no entanto, abro uma exceção para me dirigir ao acusado Virgulino Ferreira da Silva apenas como “Lampião”, pois creio que assim o fazendo não lhe falto com o devido respeito. Ao contrário, faço valer, ao tratá-lo como “Lampião”, a mesma reverência que lhe dedica o povo pobre e excluído do sertão brasileiro.
Em seguida, devo observar que a responsabilidade de julgar “Lampião” é tamanha e me assombra. De outro lado, não aceito como “divino” o papel de julgar. Deixemos Deus com seus problemas. Julgar homens é tarefa de homens. Da mesma forma, tenho comigo que realizar a Justiça é tarefa do homem na história. Assim sendo, passo a julgar “Lampião” como tarefa essencialmente humana e com o sentido de que, ao julgar, o Juiz também pode contribuir com a realização da Justiça ou, na pior das hipóteses, ao menos não impedir que o povo realize sua história com Justiça.
Pois bem, consta dos autos que “Lampião” teria sido preso em flagrante sob acusação de formação de quadrilha para a prática de inúmeros crimes contra a vida, contra o patrimônio e contra os costumes. Consta ainda dos autos os depoimentos dos condutores – membros da “volante” do Tenente Bezerra - e a representação da autoridade policial pela decretação da prisão preventiva do acusado, sob argumento da “garantia da ordem pública.”
Ao estrito exame das provas apresentadas, por conseguinte, e do que dispõe a lei, parece pacífica a necessidade da segregação preventiva do acusado para garantia da ordem pública, visto que restou provado, em face dos depoimentos colhidos, que o acusado, de fato, representa grave perigo à harmonia e paz social. Isto é o que se depreende do que se apurou até então e do que consta dos autos. Imperativo, por fim, que se decrete a prisão preventiva do acusado, segregando-o do meio social.
...................
Antes de concluir a decisão com a terminologia própria, o tal “expeça-se o mandado de prisão, publique-se, intime-se, cumpra-se...”, recosto a cabeça na cadeira, ajeito o corpo, fecho os olhos e ponho-me a pensar quantas vezes já decidi dessa maneira, quantas vezes já decretei prisões preventivas por motivo de garantia da ordem pública...
De súbito, enquanto pensava, eis que “Lampião”, o próprio, saltitando feito uma guariba, pula da gravura do @CarlosLatuff e invade minha mente. É virtual, mas é como se fosse também real e humano na minha frente. “Parabellum” em uma mão e o punhal de prata, cabo cravejado de brilhantes, em outra. Não tenho medo e nem me assusto. Ele também não diz nada e agora apenas me olha e circula em torno de mim. Somos pessoas e ao mesmo tempo ideias e pensamentos. O texto final da minha decisão judicial, por exemplo, fazendo referência à garantia da “ordem pública”, é como se fosse também algo concreto nesta cena, como um pássaro rondando minha cabeça. De repente, com um tiro certeiro de “Parabellum”, “Lampião” esfacela esta forma de pensar, que me ronda feito um pássaro, como se matando este meu “senso comum teórico dos juristas”, conforme denuncia Warat. Em seguida, ainda atônito e sem mais pensamentos para me agarrar, sinto uma profunda punhalada no coração, mas não sinto dor alguma. Não sangro sangue, mas vejo jorrando do meu peito todos os meus medos de pensar criticamente o mundo em que vivo, as relações sociais e, sobretudo, o Direito.
O que faço? Não tenho mais o “senso comum teórico dos juristas” e também não tenho mais freios no meu modo de pensar criticamente o mundo e o Direito. “Lampião” acabou com eles com um tiro de “parabellum” e uma punhalada com punhal de prata. Agora, sem minhas “defesas”, que imaginava poderosas, sou como um morto... Estou morto.
Na verdade, estou morto e renascido livre ao mesmo tempo. Vejo, de um lado, meu corpo morto e meu pensar antigo e, de outro lado, sinto-me renascido em outro corpo e outro pensar. Morri para nascer de novo. Agora, nascido de novo, posso pensar diferente; posso pensar um novo Direito e, por fim, posso pensar que a Justiça é possível e que pode ser construída pelo homem novo. Está certo Gilberto Gil. É preciso “morrer para germinar.” “Lampião” me matou para que eu pudesse viver e ver. Viva “Lampião”!
E vivendo depois da morte, vejo, agora, com “Lampião” ao meu lado, que aquele antigo modo de pensar, na verdade, foi o fruto do ensino jurídico que incute verdades e dogmas na mente de acadêmicos de Direito, que se tornam advogados, que se tornam juízes, que se tornam desembargadores, que se tornam ministros de tribunais e se imaginam sábios porque aprenderam a reduzir o Direito à lei e a Justiça à vontade da classe que representam. Este é o Direito limitado aos “autos” do processo e à tarefa de manter excluídos da dignidade os pobres e miseráveis; o Direito da manutenção da falsa “ordem” burguesa; o Direito alheio à vida, à pobreza, à miséria e à fome.
Posso ver agora, com “Lampião” ao meu lado, que aquele modo antigo de pensar aprisiona e mutila os fatos nos “autos” do processo. Assim, “autos” não tem vida, não estão no mundo, não tem contradições sociais e transformam homens em “delinqüentes”, “meliantes” e “bandidos”. Reduz, pois, todas as contradições do mundo e da vida em uma tolice: “o que não está no processo não está no mundo.”
Agora posso ver, com “Lampião” ao meu lado, depois de ter morrido para viver, ver e violar dogmas, que “o mundo está no processo”. É, pois, no processo que está a desigualdade social, a concentração de renda, séculos de latifúndio, a acumulação da riqueza nacional nas mãos de uns poucos, preconceitos, discriminações e exclusão social. Tudo isso é e está no processo. Isto é o processo.
Vejo, por fim, compartilhando esta última visão com “Lampião”, que os autos que me apresentaram não tem mundo e nem vida. Não tem sua vida, “Lampião”. Não tem sua história. Não tem seu passado. Não tem sua família. Não tem seus pais e irmãos sendo expulsos da terra que cultivavam. Não tem sua dor e sua revolta. Não tem sua sede e fome de justiça. Não tem sua desesperança na justiça. Não tem sua vida, repito. Não tem nada e de nada servem esses autos. Não servem para um julgamento. Servem para justificar uma farsa, acalentar os hipócritas e fazer da mentira a verdade.
Esses “autos” que me apresentaram, “Lampião”, não tem índios escravizados e mortos pelo colonizador; negros desterrados e escravizados nesta terra; posseiros expulsos de suas terras e mortos pelo latifúndio; operários explorados, desempregados e desesperados; crianças dormindo ao relento; os sem-teto, os sem-terra, os excluídos da dignidade. Esses autos não estão no mundo, é um faz-de-conta, uma ilusão...
O que faço agora? Estou morto de um lado, mas vivo de outro. Não sei mais o que é virtual e o que é real. Sei que deliro, mas não posso deixar morrer este novo eu. Preciso fazer com que permaneça vivo em mim o que renasceu e deixar morto o que morreu. Não quero ser mais o que era antes de morrer. Quero ser apenas o que renasci.
Luto comigo mesmo e permaneço vivo. Estou vivo, escuto e vejo, agora, mais uma vez, tiros de “parabellum” e golpes de punhal, como se saídos do nada e bailando no ar, furando e cortando em pedaços os “autos” do processo. Agora, não existem mais os “autos” do processo. Papéis picados tremulam no ar. Voam descompassados como borboletas... Preciso manter a lucidez, mas agora é tarde. A loucura tomou conta de mim e me levou com as borboletas para as “lagoas encantadas” do sertão brasileiro. Agora sou pura utopia, sonho e liberdade. Converso com “mães-d’água” à beira da “lagoa” e todas as coisas agora fazem parte de tudo. Nada mais é sem as outras coisas. Somos todos partes de um todo...
Neste devaneio em que me encontro, não sei mais o que é o real, o que é verdade, o que é passado ou presente ou se estou morto ou vivo; não sei mais - ou sei? - o que é e para que serve o Direito. Delirando assim, não posso mais julgar. Estou impedido de julgar. Não posso mais julgar Lampião. Eu não sou mais real, sou sonho apenas. “Lampião”, também, não é mais real. É uma lenda, um mito. “Lampião” agora povoa o imaginário dos pobres do sertão. “Lampião” não pode ser mais julgado por um juiz apenas. Só a história e o povo podem julgá-lo agora.
Esperem! “Lampião” me foi apresentado preso e eu preciso decidir sobre o flagrante. Preciso voltar... As borboletas me trazem de volta da “lagoa encantada” em que me encantei. Sou novamente real neste mundo virtual. Aqui estou e preciso falar. Assim, enquanto a história não vem, mas inevitavelmente virá um dia, não posso deixar “Lampião” encarcerado. A cadeia não serve aos valentes e aos destemidos; a cadeia não serve aos que, como Marighella, nunca tiveram tempo para ter medo; a cadeia não serve aos que não tem Senhor e aos que amam a liberdade. Homens verdadeiros não morrem presos.
Portanto, “Lampião”, a liberdade é tua sina. Vá. Talvez Maria te espere ainda. Talvez teu bando te espere ainda. Talvez Corisco não precise te vingar. Talvez teu corpo não trema por mais de dois minutos depois que degolarem tua cabeça. Vá. É melhor, na verdade, que morra em combate com a “volante” do Tenente Bezerra do que apodrecer e morrer vivo na prisão. Os valentes morrem lutando e escrevem a história. Vá. É a história, somente ela, que tem a autoridade para lhe julgar.
Por fim, agora concluo minha decisão inacabada: “expeça-se o Alvará de Soltura e entregue-se o acusado, Virgulino Ferreira da Silva, “Lampião”, ao seu próprio destino.” Dato e assino: Gerivaldo Alves Neiva, Juiz de Direito.
Depois disso, as borboletas me levaram de volta ao mundo da paz, da harmonia e da solidariedade, onde somos todos iguais e irmãos; de volta às “lagoas encantadas” do sertão brasileiro e aos braços das “mães d’água”.
Com viram, ouviram e imaginaram, este julgamento é um devaneio. Mistura de imaginação, passado e presente, sonho, utopia e, sobretudo, esperança inquebrantável na Justiça.
Uma noite fria e chuvosa, agosto, 2010.
Gerivaldo Alves Neiva
Juiz de Direito





25 comentários:

Alisson disse...

sou estudante de direito (estou no segundo periodo ainda) e costumo visitar seu blog diariamente.

Gosto muito do jeito como o senhor escreve e realmente achei essa sentença utópica muito boa ^^

continue com o bom trabalho, senhor Gerivaldo.

Paulo Marcos disse...

Eu estava neste dia acompanhando o julgamento. Fiquei feliz com a decisão. Entrevistei Lampião ao vivo ele disse "vou continuar fazendo história, que ela me julgue".

Marcelo Queiroz Jr. disse...

Excelente!!!!!

Imaginação fantástica e sua rubrica inspira à todos os estudantes do Direito.

Mas, cá pra nós.. nessa noite fria e chuvosa não teve a companhia de um bom whisky?... rs (brincadeira)

Abraços Professor!

O senhor continua magnifico!

Nilton Cezar disse...

Dr. Gerivaldo:

Venho respeitosamente à presença de Vossa Senhoria, solicitar que interceda a meu favor no sentido de que, juntamente com o ilustre, eu seja conduzido para a encantadora “realidade” dessa narrativa. Considerando, sem sombra de dúvida, que já estou cansado de viver nesse mundo cão. Um mundo onde “mentes” consideradas brilhantes trabalham, incansavelmente, para beneficiar uns poucos privilegiados. Posso dar um exemplo claro de que estou falando: brancos, de olhos azuis e banqueiros costumam ser beneficiados por mentes consideradas brilhantes no mundo jurídico.
Dessa forma, na minha limitada maneira de ver as coisas eu pergunto: qual a diferença entre o homicida e o insensível? Para mim, nenhuma. Portanto, Excelência, pelo argumento até aqui apresentado, deduzi não faltar mais nada para que o Sr. interceda a meu favor e, de preferência, ainda hoje me transfira para esse lugar descrito nessa maravilhosa narrativa.

Sem mais para o momento.

Um abraço!

h.perpetuo disse...

Que julgamento belo.
Anotei a citação que o Advogado de defesa disse no começo do julgamento.
"Do rio que tudo arrasta, chama-se violento, mas ninguem chama violento as margens que o comprimem"

Fantastico.

Eduardo Augusto N. Souza disse...

Lampião uma história inglória

Amigos tomem assento
Nessa roda de cordel
Que vou cantar um lamento
Um pouco de mel e fel.
(...)
Lampião foi envolvido
Por essa luta de classe
E enfim virou um bandido
Nesse terrível impasse.

Lampião não era santo,
Ao menos pelo que sei
Mas convenha, no entanto,
Que pra isso existe a lei.

(...)
(de Josafá Maia da Costa)

Quem quiser a história completa vai aqui: http://www.pucrs.br/mj/poema-cordel-52.php

*-*-*

Agora, voltando ao "nosso Lampião":

"Gerivaldo Lampião" é "cabra" que sabe a injustiça tem causa.

(...)

"Gerivaldo Lampião" sabe há quem se beneficie da injustiça.

(...)

"Gerivaldo Lampião" sabe que a diferença entre o que é justo e o que é injusto tá no poder de quem afirma os conceitos e legitima as ações e insituições.

(...)

"Gerivaldo Lampião" é cabra que vê as coisa e por isso se aflinge. "Se dói".
(...)
Mas, "Gerivaldo Lampião" num é cabra que se acovarda.

Luta.

Parabéns Doutor.
Parabéns.

Simone Moura e Mendes disse...

Na verdade, o Colegiado da História jamais obtivera unanimidade no julgamento de Lampião. Em cada juiz, uma sentença: herói,bandido,vítima das injustiças sociais? Acho mesmo mais congruente que Deus seja a última instância. Fabulosa essa mesclagem entre o real e o virtual. Olha! Obrigada por visitar e seguir o nosso blog (www.simonemouramendes.com). Que a palavra seja a nossa saudação. Simone

Eunice disse...

Caro Gerivaldo,

O seu texto é de uma sensibilidade rara e muito me alegrou. Só podemos agradecer a gentileza de partilhar conosco os seus devaneios e inspirações. Escrevendo, compartilhando e ensinando construímos um mundo melhor, mais habitável e solidário.

Um forte abraço,

Eunice

Caroline disse...

Caro Gerivaldo...

Existem momentos em nossas vidas que não podemos explicar como os devaneios podem abrir caminhos para situações que às vezes parecem impossíveis de serem resolvidas. Sou advogada e atendo o caso de um "Lampião contemporâneo". O seu texto trouxe a inspiração e a luz que eu necessitava neste caminho, pois, realmente, os autos não têm sentimentos...
Agradeço imensamente por compartilhar conosco tanta experiencia humana no mundo jurídico, coisa cada vez mais rara em nossos dias...

Caroline

Victor disse...

Olá Sr. Gerivaldo!
Eu sou um jurista há alguns poucos anos. Ler o resultado de seu julgamento de Lampião significou uma dessas forças que de vez em quando acendem em mim a vontade de continuar. Eu, que sempre vi o Direito como algo muito maior que o simples mundo dos autos, fico muito feliz cada vez que descubro uma pessoa a mais que não se deixou escravizar pela facilidade dos dogmas e verdades impostos. Que existe gente que sabe o quanto esse mundo é difícil e o quanto é importante ter essa consciência para agir no Direito e para aplicar o Direito.
Obrigado!

Celeste Carvalho disse...

Professor, em 1999 trabalhava no Panteão da Pátria quando ele foi considerado heroi e passou a figurar no livro de aço. ( Conheci sua neta a Vera ferreira e fui partícipe da exposição e eventos), Ser-lhe ei sincera, estou para Isabel Lustosa que escreveu Lampião, VioLência e Esperteza.Consoante, viver num país em que a população pensa que Sena, Cazuza e os integrantes do BBB podem ser heróis...

Vinícius disse...

Meritíssimo, senhor, Doutor...caro Gerivaldo, dianto dos meus incompletos 6 semestres dentro da faculdade de Direito, confesso q, depois de mt refletir, já sei que caminho seguir: quero ser um jurista comprometido com a justiça "que se vê", material, da vida e não q que se contenta com a verdade meramente aparente. Este texto que acabo de ler me estimulou tanto a estudar bastante para pode alcançar meu anelo quanto não deixar jamais de sonhar com a realidade a que homens como o Sr. e garotos como eu pretendemos para o nosso país e, por que não, para o nosso mundo. Parabéns!

Probus disse...

A sentença de um Juiz

Proferida pelo Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito, Gerivaldo Alves Neiva

Processo Número: 0737/05

Quem pede: José de Gregório Pinto
Contra quem: Lojas Insinuante Ltda, Siemens Indústria
Eletrônica S.A e Starcell

Ementa: UTILIZAÇÃO ADEQUADA DE APARELHO CELULAR. DEFEITO.

RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DO FABRICANTE E DO FORNECEDOR.

Vou direto ao assunto. O marceneiro José de Gregório Pinto, certamente pensando em facilitar o contato com sua clientela, rendeu-se à propaganda da Loja Insinuante de Coité e comprou um telefone celular, em 19 de abril de 2005, por suados cento e setenta e quatro reais.
Leigo no assunto, é certo que não fez opção por fabricante. Escolheu pelo mais barato ou, quem sabe até, pelo mais bonitinho: o tal Siemens A52. Uma beleza!

Com certeza foi difícil domar os dedos grossos e calejados de marceneiro com a sensibilidade e recursos do seu Siemens A52, mas o certo é que utilizou o aparelhinho até o mês de junho do corrente ano e, possivelmente, contratou muitos serviços. Uma maravilha!

Para sua surpresa, diferente das boas ferramentas que utiliza em seu ofício, em 21 de junho, o aparelho deixou de funcionar. Que tristeza!

Seu novo instrumento de trabalho só durou dois meses. E olha que foi adquirido legalmente nas Lojas Insinuante e fabricado pela poderosa Siemens… Não é coisa de segunda-mão, não!

Consertado, dias depois não prestou mais… Não se faz mais conserto como antigamente!

Primeiro tentou fazer um acordo, mas não quiseram os contrários, pedindo que o caso fosse ao Juiz de Direito.

Caixinha de papelão na mão, indicando que se tratava de um telefone celular, entrou seu Gregório na sala de audiência e apresentou o aparelho ao Juiz: novinho, novinho e não funciona. De fato, o Juiz observou o aparelho e viu que não tinha um arranhão.

Seu José Gregório, marceneiro que é, fabrica e conserta de tudo que é móvel. A Starcell, assistência técnica especializada e indicada pela Insinuante, para surpresa sua, respondeu que o caso não era com ela e que se tratava de “placa oxidada na região do teclado, próximo ao conector de carga e microprocessador”.
Seu Gregório: o que é isto? Quem garante? O próprio que diz o defeito, diz que não tem conserto…

Probus disse...

Para aumentar sua angústia, a Siemens disse que seu caso não tinha solução neste Juizado por motivo da “incompetência material absoluta do Juizado Especial Cível – Necessidade de prova técnica.” Seu Gregório: o que é isto? Ou o telefone funciona ou não funciona! Basta apertar o botão de ligar. Não acendeu, não funciona. Prá que prova técnica melhor?

Disse mais a Siemens: “o vício causado por oxidação decorre do mau uso do produto”. Seu Gregório: ora, o telefone é novinho e foi usado apenas para falar. Para outros usos, tenho outras ferramentas. Como pode um telefone comprado na Insinuante apresentar defeito sem solução depois de dois meses de uso? Certamente não foi usado material de primeira. Um artesão sabe bem disso.

O que também não pode entender um marceneiro é como pode a Siemens contratar um escritório de advocacia de São Paulo, por pouco dinheiro não foi, para dizer ao Juiz do Juizado de Coité, no interior da Bahia, que não vai pagar um telefone que custou cento e setenta e quatro reais? É, quem pode, pode!

O advogado gastou dez folhas de papel de boa qualidade para que o Juiz dissesse que o caso não era do Juizado ou que a culpa não era de seu cliente! Botando tudo na conta, com certeza gastou muito mais que cento e setenta e quatro para dizer que não pagava cento e setenta e quatro reais! Que absurdo!

A loja Insinuante, uma das maiores e mais famosas da Bahia, também apresentou escrito de advogado, gastando sete folhas de papel, dizendo que o caso não era com ela por motivo de “legitimatio ad causam”, também por motivo do “vício redibitório e da ultrapassagem do lapso temporal de 30 dias” e que o pobre do seu Gregório não fez prova e então “allegatio et non probatio quasi non allegatio”.

E agora seu Gregório? Doutor Juiz, disse Seu Gregório, a minha prova é o telefone que passo às suas mãos! Comprei, paguei, usei poucos dias, está novinho e não funciona mais! Pode ligar o aparelho que não acende nada! Aliás, Doutor, não quero mais saber de telefone celular, quero apenas meu dinheiro de volta e pronto!

Diz a Lei que no Juizado não precisa advogado para causas como esta. Não entende seu Gregório porque tanta confusão e tanto palavreado difícil por causa de um celular de cento e setenta e quatro reais, se às vezes a própria Insinuante faz propaganda do tipo: “leve dois e pague um!” Não se importou muito seu Gregório com a situação: um marceneiro não dá valor ao que não entende! Se não teve solução na amizade, Justiça é para isso mesmo!

Está certo Seu Gregório: O Juizado Especial Cível serve exatamente para resolver problemas como o seu. Não é o caso de prova técnica: o telefone foi apresentado ainda na caixa, sem um pequeno arranhão e não funciona. Isto é o bastante! Também não pode dizer que Seu Gregório não tomou a providência correta, pois procurou a loja e encaminhou o telefone à assistência técnica. Alegou e provou!

Além de tudo, não fizeram prova de que o telefone funciona ou de que Seu Gregório tivesse usado o aparelho como ferramenta de sua marcenaria.

Se é feito para falar, tem que falar! Pois é Seu Gregório, o senhor tem razão e a Justiça vai mandar, como de fato está mandando, a Loja Insinuante lhe devolver o dinheiro com juros legais e correção monetária, pois não cumpriu com sua obrigação de bom vendedor

Probus disse...

Também, Seu Gregório, para que o Senhor não se desanime com as facilidades dos tempos modernos, continue falando com seus clientes e porque sofreu tantos dissabores com seu celular, a Justiça vai mandar, como de fato está mandando, que a fábrica Siemens lhe entregue, no prazo de 10 dias, outro aparelho igualzinho ao seu. Novo e funcionando! Se não cumprirem com a ordem do Juiz, vão pagar uma multa de cem reais por dia!

Por fim, Seu Gregório, a Justiça vai dizer à Assistência Técnica, como de fato está dizendo, que seu papel é consertar com competência os aparelhos que apresentarem defeito e que, por enquanto, não lhe deve nada.

À Justiça ninguém vai pagar nada. Sua obrigação é fazer Justiça!

A Secretaria vai mandar uma cópia para todos.

Como não temos Jornal próprio para publicar, mande pelo correio ou por Oficial de Justiça.

Se alguém não ficou satisfeito e quiser recorrer, fique ciente que agora a Justiça vai cobrar.

Depois de tudo cumprido, pode a Secretaria guardar bem guardado o processo!

Por último, Seu Gregório, os Doutores advogados vão dizer que o Juiz decidiu “extra petita”, quer dizer, mais do que o Senhor pediu e também que a decisão não preenche os requisitos legais. Não se incomode. Na verdade, para ser mais justa, deveria também condenar na indenização pelo Dano Moral, quer dizer, a vergonha que o senhor sentiu, e no Lucro Cessante, quer dizer, pagar o que o Senhor deixou de ganhar.

No mais, é uma sentença para ser lida e entendida por um marceneiro.

Conceição do Coité, Bahia, 21 de setembro de 2005
Gerivaldo Alves Neiva, Juiz de Direito

http://www.mundogump.com.br/a-sentenca-de-um-juiz/

Probus disse...

A justiça é cega… mas o juiz não é.

Sentença de um Juiz Gaúcho

Num inquérito pela contravenção de vadiagem, que ocorreu na 5ª Vara Criminal de Porto Alegre, o juiz Moacir Danilo Rodrigues proferiu a sentença que transcrevemos a seguir:

“Marco Antônio Dornelles de Araújo, com 29 anos, brasileiro, solteiro, operário, foi indiciado pelo inquérito policial pela contravenção de vadiagem, prevista no artigo 59 da Lei das Contravenções Penais.

Requer o Ministério Público a expedição de Portaria Contravencional. O que é vadiagem? A resposta é dada pelo artigo supramencionado:

Trata-se de uma norma legal draconiana, injusta e parcial. Destina-se apenas ao pobre, ao miserável, ao farrapo humano, curtido vencido pela vida. O pau-de-arara do Nordeste, o bóia-fria do Sul. O filho do pobre que pobre é, sujeito está à penalização. O filho do rico, que rico é, não precisa trabalhar, porque tem renda paterna para lhe assegurar os meios de subsistência.
Depois se diz que a lei é igual para todos! Máxima sonora na boca de um orador, frase mística para apaixonados e sonhadores acadêmicos de Direito. Realidade dura e crua para quem enfrenta, diariamente, filas e mais filas na busca de um emprego. Constatação cruel para quem, diplomado, incursiona pelos caminhos da justiça e sente que os pratos da balança não têm o mesmo peso.

Marco Antônio mora na Ilha das Flores (?) no estuário do Guaíba.

Carrega sacos. Trabalha “em nome” de um irmão. Seu mal foi estar em um bar na Voluntários da Pátria, às 22 horas. Mas se haveria de querer que estivesse numa uisqueria ou choperia do centro, ou num restaurante de Petrópolis, ou ainda numa boate de Ipanema?

Probus disse...

Na escala de valores utilizada para valorar as pessoas, quem toma um trago de cana, num bolicho da Volunta, às 22 horas e não tem documento, nem um cartão de crédito, é vadio.
Quem se encharca de uísque escocês numa boate da Zona Sul e ao sair, na madrugada, dirige (?) um belo carro, com a carteira recheada de “cheques especiais”, é um burguês. Este, se é pego ao cometer uma infração de trânsito, constatada a embriaguez, paga a fiança e se livra solto. Aquele, se não tem emprego é preso por vadiagem. Não tem fiança (e mesmo que houvesse, não teria dinheiro para pagá-la) e fica preso.

De outro lado, na luta para encontrar um lugar ao sol, ficará sempre de fora o mais fraco. É sabido que existe desemprego flagrante. O zé-ninguém (já está dito), não tem amigos influentes. Não há apresentação, não há padrinho. Não tem referências, não tem nome, nem tradição. É sempre preterido. É o Nico Bondade, já imortalizado no humorismo (mais tragédia que humor) do Chico Anísio.
As mãos que produzem força, que carregam sacos, que produzem argamassa, que se agarram na picareta, nos andaimes, que trazem calos, unhas arrancadas, não podem se dar bem com a caneta (veja-se a assinatura do indiciado à fls. 5v.) nem com a vida. E hoje, para qualquer emprego, exige-se no mínimo o primeiro grau. Aliás, grau acena para graúdo. E deles é o reino da terra.

Marco Antônio, apesar da imponência do nome, é miúdo. E sempre será. Sua esperança? Talvez o Reino do Céu.

A lei é injusta. Claro que é. Mas a Justiça não é cega? Sim, mas o juiz não é.

Por isso: Determino o arquivamento do processo deste inquérito.

Porto Alegre, 27 de setembro de 1979.
Moacir Danilo Rodrigues
Juiz de Direito – 5ª Vara Criminal
Transcrito do Suplemento Jurídico: DER/SP no 108 de 1982

http://www.nossacasa.net/recomeco/0008.htm

Probus disse...

SENTENÇA de um juiz BRASILEIRO
Senhor Doutor Juiz Rafael Gonçalves de Paula
Palmas/TO

DESPACHO DE UM JUIZ DE DIREITO DE PALMAS,TOCANTINS

A Escola Nacional de Magistratura incluiu, nesta terça feira (30/06), em seu banco de sentenças, o despacho pouco comum do Juiz Rafael Gonçalves de Paula, da 3a. Vara Criminal da Comarca de Palmas, em Tocantins. A entidade considerou de bom senso a decisão de seu associado, mandando soltar Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha , detidos sob acusação de furtarem duas melancias:

DECISÃO

‘Trata-se de auto de prisão em flagrante de Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha,que foram detidos em virtude do suposto roubo de duas (2) melancias. Instado a se manifestar, o Sr.Promotor de Justiça opinou pela manutenção dos indiciados na prisão.

“Para conceder a liberdade aos indiciados, eu poderia invocar inúmeros fundamentos: os ensinamentos de Jesus Cristo, Buda e Gandhi, o Direito Natural, o Princípio da Insignificância ou Bagatela, o Princípio da Intervenção Mínima, os princípios do chamado Direito Alternativo, o Furto Famílico, a Injustiça da Prisão de um lavrador e de um Auxiliar de Serviços Gerais em contraposição à liberdade dos engravatados e dos políticos do mensalão deste governo, que sonegam milhões dos cofres públicos, o risco de se colocar os indiciados na Universidade do Crime (o sistema penitenciário nacional)…

Probus disse...

Poderia sustentar que duas melancias não enriquecem nem empobrecem ninguém.

Poderia aproveitar para fazer um discurso contra a situação econômica brasileira, que mantém 95% da população sobrevivendo com o mínimo necessário.

Poderia brandir minha ira contra os neo-liberais, o consenso de Washington, a cartilha demagógica da esquerda, a utopia do socialismo, a colonização européia…

Poderia dizer que George Bush joga bilhões de dólares em bombas na cabeça dos iraquianos, enquanto bilhões de seres humanos passam fome pela Terra…

E aí? Cadê a Justiça nesse mundo?

Poderia mesmo admitir minha mediocridade por não saber argumentar diante de tamanha obviedade.

Tantas são as possibilidades que ousarei agir em total desprezo às normas técnicas. Não vou apontar nenhum desses fundamentos como razão de decidir…

SIMPLESMENTE MANDAREI SOLTAR OS INDICIADOS… QUEM QUISER QUE ESCOLHA O MOTIVO!”

Expeçam-se os alvarás de soltura. Intimem-se.

RAFAEL GONÇALVES DE PAULA
Juiz de Direito

http://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2009/07/01/sentenca-de-um-juiz-brasileiro-juiz-rafael-goncalves-de-paula-palmas-to/

Probus disse...

"A arte é longa. A vida é breve. A oportunidade é fugidia. O julgamento e difícil. O parecer de quem julga não depende das qualidades do réu ou da matéria questionada, mas de como o juiz sente a vida."

(Hipócrates, 440 a.C.)

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito, Gerivaldo Alves Neiva,

Com todo respeito me dirijo ao Senhor, mas, como eu sou dos matos, onde em nada cresce, sertanejo sou de onde o vento faz a curva e o BraZil faz questão de desconhecer, oriundo da esturricada caatingas do Semi Árido nordestino, das tantas vidas secas, das tantas mortes e vidas severinas, eu me permito me dar o Direito de vos chamar de ARRETADO. O Senhor é um cabra arretado!!

Ab imo pectore

Anônimo disse...

Warley Lima - Salvador - Ba.

O senhor é mesmo fantástico! Já havia ouvido falar nesta sua brilhante concepção juridica. Após entrar no seu blog, e ler alguns artigos e scentenças, incontestávemente, incríveis. O admiro bastante e me sinto honrado por ser graduando em Direito e não me desiludir com a realidade hípocrita da justiça baiana ao observar que a esperança por uma justiça equânime no ordenamento não morreu. Parabéns, Deus continue te abençoando e iluminando-te!

Arthur Cataldi disse...

Dr. Gerivaldo,

Não é que outro dia, na mesa de uma audiência, seu nome veio a baila. O douto Julgador, Dr. Oswaldo Rosa, um outro "arretado", disse em alto e bom som que o senhor é mesmo "o melhor entre os melhores" e que ele, tendo alçado à Magistratura no mesmo concurso que o senhor, sente por isto um tremendo orgulho pela contemporaneidade. Imagine assim, o coro na escola Gerivanista!!! Tenho certeza que será a salvação de nosso tão desacreditado Poder Judiciário... Grande abraço no grande ser humano!!!

Arthur Cataldi disse...

Dr. Gerivaldo,

Não é que outro dia, em plena mesa de audiência, seu nome veio à baila!!! Nossa, fiz um singelo comentária sobre uma de suas brilhantes sentenças e o nobre Juiz daquela MM Vara Cível, o não menos "retado" Dr. Oswaldo Rosa, disse aos presentes o quão orgulhoso fica quando se lembra de ter passado no mesmo concurso de magistratura que o senhor. Foi um depoimento contundente e arrebatador. Todos ali presentes ficaram boquiabertos de tão impoluta figura existir em nosso TJ/BA e, paradoxalmente, ao tempo em que todos lamentaram por Va.Exa. ainda não estar na Capital, compreenderam que isto seria por escolha pessoal vossa em estar dizendo o direito onde os cidadãos são mais esquecidos e desprovidos de direitos. Que bom que o senhor tenha seguidor não apenas entre os jurisdicionados, advogados e promotores, mas também entre vossos pares. Isto nos faz ver que o tão desacreditado Poder Judiciário, poderá um dia passar a ser acreditado! Tenho certeza que o senhor, ao lado de outros juízes de escol, terá dado grande contribuição para isto...

Janaina Ramos disse...

Falta o cristão
Aprender com São Francisco
Falta tratar
O nordeste como o sul
Falta outra vez
Lampião, trovão, corisco
Falta feijão
Ao invés de mandacaru. Sábio Lenine
Lindo julgamento !

Janaina Ramos disse...

Falta o cristão
Aprender com São Francisco
Falta tratar
O nordeste como o sul
Falta outra vez
Lampião, trovão, corisco
Falta feijão
Ao invés de mandacaru. Sábio Lenine
Lindo julgamento !!